A campanha “Norte e Nordeste Azul – A oftalmologia brasileira contra o diabetes” será lançada em Roraima nesta quinta-feira (14) pelo presidente do Conselho Regional de Medicina de Roraima (CRM – RR), Alexandre Marques e pelo médico oftalmologista Rômulo Ferreira. O objetivo é oferecer consultas oftalmológicas para pacientes com diabetes para identificar casos de retinopatia.

No Estado, todos os médicos oftalmologistas aderiram à Campanha. Eles  atenderão gratuitamente em seus consultórios particulares, cinco pacientes  por semana, encaminhados pelas secretárias estaduais e municipais de saúde.

Segundo dado do Ministério da Saúde estima-se que no Brasil o diabetes já atinja entre 15 e 18 milhões de pessoas e que de 120 a 150 mil são cegos. A retinopatia diabética é a complicação mais grave do diabetes nos olhos.  Com a evolução desta, os vasos sanguíneos que nutrem a retina (fundo de olho) vão enfraquecendo progressivamente, deixando vazar o líquido ou sangue. Além de causar, em alguns casos, infarto da retina.

“O principal sintoma da retinopatia é a visão embaçada que, mesmo com os óculos, não melhora e, na maioria das vezes, a pessoa já está com o olho bem comprometido. Mas, lembrando que muitas vezes nenhum sintoma é percebido mesmo em casos mais avançados (doença silenciosa). Com isto, torna-se fundamental a avaliação do fundo de olho por um oftalmologista experiente”, explicou Alexandre Marques.

A retinopatia é a principal causa de cegueira não curável em adultos. A retinopatia diabética incapacita para o trabalho pessoas na faixa etária dos 30 aos 75 anos. Mas, se a doença for detectada precocemente e com o tratamento adequado, os riscos da cegueira podem ser reduzidos em mais de 80%. Diferentemente da catarata, a cegueira decorrente da retinopatia diabética é irreversível. Até um tempo atrás não existia serviço público de atendimento oftalmológico definido especificamente para cuidar da saúde ocular dos diabéticos.

O melhor tratamento para retinopatia diabética é o controle clínico adequado, e nos casos graves, por meio da fotocoagulação a laser da retina, usada para cauterizar regiões do olho onde há má circulação sanguínea (isquemia).  A aplicação de laser pode reduzir as chances de cegueira em 70% dos casos. Sendo um procedimento não invasivo, rápido (em torno de 15 minutos cada sessão) e que utiliza como anestesia algumas gotas de colírio.  

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.